Home Mundo Bolsonaro diz que não entra em guerra comercial e que Brasil negocia com o mundo todo

Bolsonaro diz que não entra em guerra comercial e que Brasil negocia com o mundo todo

0
125
Presidente foi questionado se líderes da China e da Rússia fizeram críticas, em fórum empresarial do Brics, ao protecionismo norte-americano.

Presidente foi questionado sobre críticas de Xi Jinping e Vladimir Putin ao protecionismo durante fórum empresarial do Brics. Líderes do bloco estão reunidos em Brasília.

Guilherme Mazui

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (14), ao ser questionado sobre críticas de líderes do Brics ao protecionismo nas relações comerciais, que não entra em “guerra comercial” e que o Brasil “faz comércio com o mundo tudo”.
Bolsonaro deu a declaração ao sair do Palácio da Alvorada, antes de seguir para o Palácio Itamaraty, onde receberá os demais chefes de governo do Brics, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O encontro de cúpula do bloco ocorre em Brasília.
Em rápida conversa com jornalistas, Bolsonaro foi perguntado sobre críticas ao protecionismo feitas pelos presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, durante fórum empresarial do Brics, na quarta-feira (13).
“Não entro nessa guerra comercial, Brasil faz comércio com o mundo tudo, queremos o bem do nosso povo através desse tipo de relacionamento”, disse Bolsonaro, que é fã declarado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
Sem citar diretamente o governo norte-americano, que trava uma guerra comercial com a China, Xi Jinping afirmou na quarta que o momento é de “grandes transformações” em todo o mundo, o que, para ele, gera “inúmeras oportunidades, mas também desafios”.
O presidente chinês disse na quarta-feira, diante de uma plateia de empresários e autoridades, que o “crescente protecionismo” e “ameaças no mundo”, sociais e econômicas, podem comprometer o comércio internacional e o investimento, levando a uma “desaceleração” na economia mundial.
“Temos que enfrentar as dificuldades que estão a comprometer nosso desenvolvimento econômico, propor novos caminhos para nossa indústria”, afirmou.
Segundo Xi Jinping, a China vai “abrir ainda mais o seu mercado”. Já o presidente russo declarou que a economia global “continua complexa” e deve cair em 2019 ao menor nível de crescimento nos últimos dez anos.
“Temos visto crescimento de atitudes protecionistas, de problemas alfandegários, e os países do Brics têm que se esforçar para não se deixar abater por essas coisas. Temos que manter o nível de vida de nossas populações e até aumentá-lo”, argumentou.
Balanço positivo
Antes de seguir para o Itamaraty, Bolsonaro fez um balanço do primeiro dia de atividades do encontro do Brics. Na quarta, ele teve reuniões bilaterais com Xi Jinping e com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e participou ao lado dos demais líderes do bloco do fórum empresarial e de um jantar.
Segundo Bolsonaro, o balanço “é muito bom” e parece uma “reunião de velhos amigos”. Na quarta-feira, ele defendeu ampliar as relações comerciais com os países do bloco.

Carregar mais artigos relacionados

Veja também

Nos EUA, mais de 97 mil crianças tiveram Covid-19 no fim de julho, diz estudo

Escolas ainda estavam fechadas no país. No início de agosto, ensino presenci…