Home Mundo Israel de volta ao confinamento

Israel de volta ao confinamento

0
19
Segunda quarentena, de três semanas, expõe falhas do governo Netanyahu, responsabilizado por não prever nova onda da pandemia e agora enfrenta resistência da população Benjamin Netanyahu, premiê de Israel, coloca máscara durante entrevista coletiva nesta terça-feira (8)
Alex Kolomiensky/Pool/AFP
Como o primeiro país do mundo a impor um novo confinamento a seus cidadãos, Israel expõe claramente o fracasso do governo do premiê Benjamin Netanyahu na gestão da pandemia de Covid-19. Desta vez o bloqueio durará pelo menos três semanas, a partir de sexta-feira, coincidindo com os feriados religiosos mais importantes para os judeus: o Rosh Hashanah (Ano Novo) e o Yom Kipur (Dia do Perdão).
Além do fechamento de comércio, hotéis e restaurantes, ninguém poderá se afastar mais de 500 metros de casa, e as reuniões familiares, um ritual tão típico desta época do ano, serão limitadas a dez pessoas em ambientes fechados.
A fúria generalizada replicada nas redes sociais reflete a pouca disposição dos israelenses de embarcar no segundo lockdown. Após uma conturbada reunião ministerial de sete horas, Netanyahu anunciou o pacote de restrições e embarcou para Washington, onde assina a normalização de relações com os Emirados Árabes Unidos e Bahrein.
Protestos em Jerusalém contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu neste sábado (12)
Corinna Kern/Reuters
Manifestantes protestaram no aeroporto contra a viagem inoportuna, numa demonstração de que as vitórias diplomáticas tão exaltadas pelo premiê não são prioridade no momento. Mais uma vez, Netanyahu se refugia nos EUA, a pretexto de assinar um acordo histórico e na esperança de que o tour, de cunho eleitoreiro, possa render frutos em benefício próprio e de seu aliado, Donald Trump.
Diante das câmeras, ele vangloriou-se de seus feitos, tentando desviar a atenção do lockdown. “Dois acordos de paz em um só mês. Os acordos vão injetar milhões na economia israelense. Isso é sempre bom, mas é particularmente bom durante o coronavírus.”
Como publicou o jornal conservador “Jerusalem Post” em seu editorial, o verdadeiro problema de Netanyahu é a desconexão entre o que é certo e o que a população precisa: “Os acordos são importantes, mas o país se encontra no meio de uma guerra e está perdendo. Um líder não sai quando os soldados ainda estão no campo de batalha.”
A guerra em questão é uma das mais dramáticas que o país enfrentou em sete décadas de existência. Nesta semana, o número de casos diários do novo coronavírus ultrapassou 4 mil, sem que a doença dê sinais de trégua, com 40 mil infectados ativos. A rede hospitalar está a caminho da saturação.
A Netanyahu cabe a responsabilidade por ter declarado vitória antecipadamente sobre o vírus, sem se preparar para uma segunda onda. Na ânsia de reabrir a economia, o país retornou sem controle à normalidade.
O que veio em seguida é conhecido: recessão e desemprego na casa dos dois dígitos. O que vem a seguir é um novo golpe à combalida economia: danos avaliados em US$ 1,8 bilhão segundo os cálculos do Ministério das Finanças.
O segundo confinamento significa voltar à estaca zero, mas agora sem o aval e a cooperação da população. Diante da resistência, que une grupos de ideologias distintas, o grande desafio do governo será manter os israelenses trancados em casa.
Carregar mais artigos relacionados

Veja também

UE faz apelo por medidas reforçadas para evitar novo aumento de casos de coronavírus

Em várias regiões, a transmissão está pior que no pico da pand…